Baratas
Habitat das Baratas
Reprodução das Baratas
Espécies Mais Comuns no Brasil
Diversidade de Espécies
Barata Doméstica ou Barata Alemã
Barata Vermelha (Barata de Esgoto)
Barata Australiana
Barata Cascuda ou Barata Grande dos Armazéns
Comportamento Social
Infestação por Baratas
Controle e Prevenção Domiciliar
Principais Danos Causados
Inseticidas para Baratas
Métodos de Controle para Baratas
Combate às baratas sem o uso de Inseticidas
O impacto do uso dos inseticidas no meio ambiente
Riscos da Desinsetização ao Homem
Controle Biológico
Curiosidades sobre as Baratas


 
Os textos contidos neste site possuem direitos autorais. Sua cópia total ou parcial, sem autorização expressa, resultará em medidas judiciais cabíveis.
 

Curiosidades sobre as Baratas

Você sabia que....

• “Barata” é um nome que vem do latim blatta e significa “inseto que evita a luz”;

• Esses artrópodes são atraídos pelo cheiro de comida;

• Podem ingerir restos alimentares impregnados na mucosa bucal de seres humanos adormecidos;

• É comum a barata roer os lábios e a região angular da boca de pessoas adormecidas ou inconscientes, ocasionando uma lesão conhecida como herpes  blattae;

• São vetores comuns de bactérias, fungos, protozoários e amebas em ambientes hospitalares;

• A exposição à alérgenos da barata tem sido identificada como fator de risco para crises agudas de asma em crianças de áreas pobres urbanas;

• Há mais de 4.000 espécies de baratas no mundo;

• Apenas 1% de todas as espécies de baratas tem associação com o homem e status de “praga”, possuindo hábitos noturnos e alimentação onívora;

• No Brasil, duas espécies de baratas são as mais comumente encontradas no contexto urbano: Blattella germanica e Periplaneta americana;

• As baratas se acasalam mantendo suas extremidades caudais unidas, posição chamada de “end to end”;

• Ao contrário do que dizem, o cérebro da barata se localiza em sua cabeça, porém a maioria de suas atividades nervosas são comandadas pelos gânglios, localizados ao longo de seu corpo. Por isso uma barata pode perder sua cabeça e ainda assim sobreviver alguns dias, morrendo apenas por falta de alimentação;

• A barata, assim como os outros insetos, apresenta respiração traqueal. Nesse modelo de sistema, o oxigênio chega diretamente aos seus orgãos, não necessitando de transporte através da hemolinfa;

• As baratas podem medir de 3mm (gênero Nocticola) a até, aproximadamente, 100mm de comprimento (Macropanesthia rhinoceros, do Brasil, conhecida como barata-rinoceronte);

 
Baratas

Na figura, podemos observar a Macropanesthia rhinoceros (direita) e a barata do gênero Nocticola (seta).
(Fonte: http://www.nhm.ac.uk/kids-only/life/lifesmall/cockroaches/images/cockroaches_largest_and_smallest02_8144_1.jpg)
 

• Algumas espécies de baratas se reproduzem por partenogênese, processo em que não há fecundação por parte do macho, ou seja, somente o gameta da fêmea é responsável pela origem de uma nova barata fêmea. Esse processo ocorre com alguns gametas da Pycnoscelus surinamensis (barata do Suriname);

• Um estudo mostrou que mais de 50% dos corpos estranhos animados encontrados em otorrinolaringologia são baratas;

• Apesar de preferirem ambientes úmidos, as baratas também podem ser encontradas em regiões semi-áridas, desérticas e até em ninhos de formigas;

• As baratas observadas hoje são muito semelhantes às que existiam há 300 milhões de anos atrás, durante o Período Carbonífero;

• Algumas espécies de baratas acasalam somente uma vez e ficam prenhas pelo resto de suas vidas;

• De aproximadamente 4.000 espécies de baratas conhecidas atualmente, somente uma pequena parcela delas é capaz de voar. A presença ou não de uma asa funcional depende, principalmente, do habitat da barata. Baratas que vivem em locais de grande altitude, alto grau de umidade ou em sociedade tendem a não apresentar capacidade de voar. Assim, pode-se concluir que a inabilidade de voar está diretamente relacionada à estabilidade da barata no meio ambiente;

• As ninfas geralmente apresentam o mesmo habitat da barata adulta;

• Uma barata pode sobreviver sem comer por um período de 5 (Blattella vaga) a 42 dias (P. americana)

• A barata pode chegar a ser até 20 vezes mais resistentes à radiação do que o homem, porém não é o suficiente para sobreviver a um desastre nuclear da dimensão das bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki.

 
Todos os Direitos Reservados a Baratas .net.br